Aquilo que não é a sua colheita é a sua semente

E Jesus, ouvindo isto, retirou-se dali num barco, para um lugar deserto, apartado; e, sabendo o povo, seguiu-o a pé desde as cidades. E, Jesus, saindo, viu uma grande multidão, e possuído de íntima compaixão para com ela, curou os seus enfermos. E, sendo chegada a tarde, os seus discípulos aproximaram-se dele, dizendo: O lugar é deserto, e a hora é já avançada; despede a multidão, para que vão pelas aldeias, e comprem comida para si. Jesus, porém, lhes disse: Não é mister que vão; dai-lhes vós de comer. Então eles lhe disseram: Não temos aqui senão cinco pães e dois peixes. E ele disse: Trazei-mos aqui. E, tendo mandado que a multidão se assentasse sobre a erva, tomou os cinco pães e os dois peixes, e, erguendo os olhos ao céu, os abençoou, e, partindo os pães, deu-os aos discípulos, e os discípulos à multidão. E comeram todos, e saciaramse; e levantaram dos pedaços, que sobejaram, doze alcofas cheias”. Mateus 14:13-20

Algumas orientações dadas por Jesus caracterizaram a plenitude e uma delas foi a multiplicação dos pães e dos peixes. Por que Jesus fez duas vezes o mesmo evento? O mesmo milagre? No livro de Mateus temos uma multiplicação e em seguida a outra, ele fez uma organização logística mais fácil para a nossa compreensão.

Esse milagre aconteceu em volta do lago de Genesaré, chamado mar da Galileia. Em volta daquele lago que tem dez cidades pequenas, chamadas decápolis. Mas o que motivou a Jesus fazer o milagre? A Bíblia diz que Jesus teve compaixão daquelas pessoas. Então, guarde esse sentimento no seu coração, ande com Deus em compaixão. Não seja uma pessoa ácida, crítica, amarga. Seja uma pessoa que tem compaixão das pessoas.

As dez cidades pequenas em volta do lago ou do mar da Galileia tinha a cidade de Cafarnaum, que era a mais importante delas, aonde Jesus fez muitos milagres. Cafarnaum era onde estava o comandante do exército romano ou centurião. A palavra centurião quer dizer comandante de cem, que ele tem cem soldados.

A Bíblia diz que a pessoa estava ali naquela região e ele estava indo de um lugar para o outro, passava pelo meio do mar para ganhar tempo, de barco se andava mais rápido que a pé. Ele cruzava muito rapidamente e a Bíblia diz que a multidão seguiu Jesus estando a pé. Ele foi de barco, chegou e viu aquela multidão imensa e a Bíblia diz que Ele foi tomado de compaixão. Eu tenho visto pessoas que não tem compaixão da dor do outro. Conheço pessoas que muitas vezes deixa a igreja por falta de compaixão, porque critica quem é imaturo, critica os exageros das pessoas, critica as situações que muitas vezes dá pra suprir por misericórdia, que muitas vezes dá pra cobrir por amor. Mas eles julgam, são exigentes. Jesus disse com a medida que julgares sereis julgados. Com a medida que vocês medirem os outros sereis medidos.

O que motivou Jesus a agir foi a compaixão. Os discípulos olharam e disseram a Jesus que ele já tinha feito demais por aquele povo, você já orou por elas, já deu o aspecto espiritual. Agora, despede-as pra eles irem comprar comida. Não queremos problemas, isso não é responsabilidade nossa. Jesus olha pra eles e diz: Ninguém vem até mim e volta desfavorecido. Eu não mandou ninguém com fome, eu não deixo ninguém perecer no caminho. Quem veio me encontrar volta forte, abençoado e suprido. Jesus deixa marcado essa palavra.

E o senhor diz assim: manda essas pessoas sentarem em grupos, na grama. Jesus fala, o que é que vocês tem no meio dessa multidão? Só um menininho que tinha cinco pães e dois peixinhos. Jesus pega, oferece ao Pai, consagra em oração parte e ai Jesus multiplica, ora e abençoa. E sobram 12 cestos, um cesto para cada discípulo. São doze porque ele faz para atender o ministério de cada um dos discípulos. Deus honra a nossa fé, ele não nos deixa ser ou estar só. Na ministração Ele põe um cesto cheio na minha mão.

Esta é a visão da primeira multiplicação. “E Jesus, chamando os seus discípulos, disse: Tenho compaixão da multidão, porque já está comigo há três dias, e não tem o que comer; e não quero despedi-la em jejum, para que não desfaleça no caminho. E os seus discípulos disseram-lhe: De onde nos viriam, num deserto, tantos pães, para saciar tal multidão? E Jesus disse-lhes: Quantos pães tendes? E eles disseram: Sete, e uns poucos de peixinhos.
Então mandou à multidão que se assentasse no chão. E, tomando os sete pães e os peixes, e dando graças, partiu-os, e deu-os aos seus discípulos, e os discípulos à multidão. E todos comeram e se saciaram; e levantaram, do que sobejou, sete cestos cheios de pedaços
. Mateus 15:32-37

Aqui eles colheram sete cestos. Porque um 12 e outro 7? No primeiro milagre Jesus estava mostrando a plenitude do ano. Jesus estava mostrando a plenitude em aliança ao líder, em aliança ao discípulo. No segundo milagre ele está mostrando a plenitude sobre a semana, ele vai cobrir a sua semana.

Os dois milagres, os dois eventos, tem algumas coisas em comum. Primeiro, a compaixão está por trás. Segunda característica é que ambos os milagres tinham uma circunstância de escassez. Tinha uma circunstância onde Jesus tinha menos do que eles precisavam. Os discípulos naquela circunstância reagiram da maneira humana. Jesus reagiu segundo o coração de Deus. Jesus compreendeu que a situação de escassez que entra em nossa vida são as pontes para nos levar para o território da plenitude. Deus não te põe em uma situação de escassez pra te constranger, pra te envergonhar. Deus permite uma situação de escassez surgir na sua vida apenas para te levar para o território da plenitude. Jesus compreendeu um princípio muito rico nos dois eventos, nos dois milagres. Ele disse: Se nós temos muitas pessoas, pouca comida. Se nós temos muita conta para pagar, pouco dinheiro. Se nós temos muita necessidade, pouco suprimento. Jesus disse o suprimento não é a nossa colheita, vamos plantar, vamos consagrar.

A mesma coisa, o mesmo padrão de comportamento que o profeta ensinou a viúva lá atrás, de Eliseu. O que você tem na sua casa? Nada, quase nada. Ele disse faça um bolo, traga primeiro pra mim que eu vou consagrar a Deus e depois você verá o milagre que vai acontecer na sua vida. O mesmo princípio, o mesmo padrão.

Por isso, consagre o pouco que você possui e você verá a plenitude invadir a sua vida. A plenitude de Deus vai entrar no seu coração. Aquilo que não é a sua colheita é a sua semente. Planta, quando você plantar, voltará para você e fará transbordar os seus cestos. Não preciso da economia lá de fora, preciso do principio da semente da plenitude.

Aonde você tem plantado? Te convido a plantar na terra dos milagres, na Celebração Internacional SNT , em Brasília. Dos dias 05 a 08 de julho vamos instigar a sua fé, vamos forjar você para que você entre, literalmente, na terra da plenitude. Há unção e milagre para sua vida. Você é o meu convidado mais que especial. O evento acontece no Campus Arena e na Embaixada Sara Nossa Terra. Pise no território dos milagres! Que 2017 seja de fato, o Ano Aceitável do Senhor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *