Bispo Rodovalho fala em entrevista sobre o presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha

O presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha se converteu na Sara Nossa Terra, onde ficou até fevereiro deste ano. Constantemente ligado a denúncias de contas na Suíça com dinheiro fruto de corrupção, a imagem de Cunha está abalada entre os vários segmentos evangélicos, mas segundo o Bispo Robson Rodovalho, não é papel da igreja julgar o presidente da Câmara.

Em entrevista ao jornal Estado de São Paulo, Bispo Rodovalho afirmou que as igrejas são instrumentos “de misericórdia, do amor, do perdão”. Ao mesmo tempo, cabe à Justiça e ao Ministério Público Federal o papel de “instituição inquisidora”.

Sendo assim, embora não emita juízo sobre as denúncias que pairam sobre Cunha, sua denominação decidiu apoiar a campanha anticorrupção da Procuradoria da República. São dez medidas que visam “sufocar a ação dos corruptos”. O primeiro passo é pedir que os 500 mil fiéis da igreja ajudem na coleta de 1,5 milhão de assinaturas. “Entendemos que a gente tem que ter alguma coisa propositiva para mudar o Brasil. Não basta ficar indo para rua fazer protesto contra a corrupção, contra a política, contra partidos. Tem que fazer uma coisa propositiva”, esclareceu Rodovalho.

Ao analisar a corrupção que está presente no país, Rodovalho assevera que o problema “é mais profundo e sistêmica. Ele passa tanto pelo indivíduo quanto pelo sistema”.

Quando fala sobre o papel da igreja, insiste que ela “não pode descuidar de ter uma régua da Justiça, a régua da equidade… A nossa tarefa é trabalhar, conscientizar as pessoas, estabelecendo valores, princípios, pregando sobre isso”.

Eduardo Cunha nega todas as acusações, mas ainda é alvo de um processo que pode levar à cassação de seu mandato no Conselho de Ética. Questionado o que faria caso ele voltasse para a sua igreja de origem, Rodovalho garante “Se amanhã Eduardo aparecer, vai ser bem-­vindo como todo mundo”.

Com informações do site: gospelprime.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *