Doar para ensinar

É preciso ir mais além neste ofício de construir uma sociedade mais justa

Uma das maiores verdades propagadas pelo ex-presidente Lula, no seu governo, é: “a fome não espera”. Sim, a fome não espera o desenvolvimento; a fome não espera o equilíbrio financeiro; a fome não espera a queda da inflação ou o abrandamento do dólar. A fome “dói” e só quem já teve o desprazer de conhecê-la de perto sabe quão profunda e revoltante é esta dor.

Temos observado, há séculos, que a igreja cristã sabe muito bem diferenciar esmola de cidadania. Este é o outro lado da moeda. Não basta apenas dar comida, “cheque cidadão”, roupas, ou qualquer outra obra generosa. É preciso ir mais além neste ofício de construir uma sociedade mais justa e que espelhe o reino de Deus. É preciso, preferencialmente, oferecer cidadania. Todos os governantes, organizações não governamentais (ONG’s) e outras entidades sabem que esse é o melhor caminho.

Não é apenas o governo que possui essa responsabilidade. Toda a sociedade precisa aprender a prestar auxílio, mas com o real sentido de solidariedade. É preciso saber usar esta força motivadora que é o “DOAR”, para gerar cidadania e responsabilidade.

Lembro-me da primeira vez que fui abordado por um menino de rua pedindo uns trocados em um semáforo (nessa época, ainda não havia sido implantado o Programa Bolsa Escola). Conversei com ele aproximadamente dois minutos e o desafiei a parar de “pedir” e começar a “vender” alguma coisa. Então, ele me contra argumentou que não possuía dinheiro para iniciar, por isso doei alguns reais e prometi voltar para ver como ele estava se saindo. Optei por usar a oportunidade de “doar”, para “ensinar”.

Como seria se toda a sociedade fizesse isso? Primeiramente, não teríamos pedintes, mas trabalhadores informais. Sim, vamos matar a fome. Mas, vamos também matar o analfabetismo, a ignorância e a subserviência por meio dessa força motivadora. Vamos dar cidadania! Não é apenas do governo a responsabilidade. É de todos nós.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *