ESMOLA OU CIDADANIA?

Uma das maiores verdades propagadas pelo presidente Lula, no início do seu governo, é: “a fome não espera”. Sim, a fome não espera o desenvolvimento; a fome não espera o equilíbrio financeiro; a fome não espera a queda da inflação ou o abrandamento do dólar. A fome “dói” e só quem já teve o desprazer de conhecê-la de perto sabe quão profunda e revoltante é esta dor.

É absolutamente inaceitável nossa sociedade conviver com a fome. Não podemos aceitar, de forma alguma, que, por um lado o Brasil seja o país das grandes safras e, por outro, o país dos famintos. Também não podemos aceitar que os países mais ricos, hoje, tenham um PIB de 27.911 dólares por ano e esquecer que os mais pobres precisam sobreviver com 529 dólares anuais. Essa diferença é gritante. Retrata uma realidade selvagem e despida de qualquer sentimento de amor e responsabilidade pelo próximo e pelo mundo, que juntos estamos construindo.

Do ponto de vista cristão, nossas organizações e iniciativas são as que mais têm se desdobrado para tentar amenizar essa dor social. Está em nosso DNA: o cuidado pelos pobres e famintos, tanto que o Senhor Jesus disse ser deles (dos pobres) o Reino de Deus. Assim, as boas novas (o Evangelho) precisam alcançá-los, exatamente porque eles estão “clamando” por causa da fome.

Temos observado, há séculos, que a igreja cristã sabe muito bem diferenciar esmola de cidadania. Este é o outro lado da moeda. Não basta apenas dar comida, “cheque cidadão”, roupas, ou qualquer outra obra generosa. É preciso ir mais além neste ofício de construir uma sociedade mais justa e que espelhe o reino de Deus. É preciso, preferencialmente, oferecer cidadania. Todos os governantes, organizações não governamentais (ONG’s) e outras entidades sabem que esse é o melhor caminho.

Não é apenas o governo que possui essa responsabilidade. Toda a sociedade precisa aprender a prestar auxílio, mas com o real sentido de solidariedade. É preciso saber usar esta força motivadora que é o “DOAR”, para gerar cidadania e responsabilidade.

Lembro-me da primeira vez que fui abordado por um menino de rua pedindo uns trocados em um semáforo (nessa época, ainda não havia sido implantado o Programa Bolsa Escola). Conversei com ele aproximadamente dois minutos e o desafiei a parar de “pedir” e começar a “vender” alguma coisa. Então, ele me contra argumentou que não possuía dinheiro para iniciar, por isso doei alguns reais e prometi voltar para ver como ele estava se saindo. Optei por usar a oportunidade de “doar”, para “ensinar”.

Como seria se toda a sociedade fizesse isso? Primeiramente, não teríamos pedintes, mas trabalhadores informais.

Sim, vamos matar a fome. Mas, vamos também matar o analfabetismo, a ignorância e a subserviência por meio dessa força motivadora. Vamos dar cidadania!

Não é apenas do governo a responsabilidade. É de todos nós.

Bp. Robson Rodovalho

Brasília, 27/08/09

2 thoughts to “ESMOLA OU CIDADANIA?”

  1. Concordo plenamente.So incrementando, uma boa forma de ajuda, seria criar frentes de trabalho para acelerar as obras do PAC, que andam muito de vagar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *