NATUREZA HUMANA

Alma é um ser específico e próprio agindo em sua vontade. Deus criou-nos como seres possuidores de uma natureza e uma tendência. Quando aconteceu a queda, esta tendência cresceu e tomou o homem passando a dominá-lo a tal ponto que o Senhor pesou Seu coração. “Então, formou o Senhor Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente” (Gn. 2: 7) “O Senhor Deus, por isso, o lançou fora do jardim do Éden, a fim de lavrar a terra de que fora tomado” (Gn. 3:24).Viu o Senhor que a maldade do homem se havia multiplicado na terra, e que era continuamente mau todo desígnio do seu coração…” (Gn. 6:5). No livro aos Romanos encontramos o Senhor tratando da questão da natureza humana. A Palavra diz que pela desobediência Adão encontrou o pecado e a morte. A questão fundamental aqui é que a natureza humana é uma força que age no interior das pessoas com a tendência de levá-las a transgredirem a vontade de Deus. Paulo nos fala das obras da carne, apresentando a lista. Essas obras operam nas pessoas para levá-las a agir de uma forma que aconteça morte em seus espíritos. “Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram…” (Rm.5:12-21). “Ora, as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas…” (GI.5:19-21). Precisamos entender que embora sejamos cristãos e salvos no Senhor, ainda lutamos contra essa tendência da velha natureza. O apóstolo Paulo nos fala da crise da vitória sobre o velho homem e nos mostra que há uma guerra no interior dos cristãos. E esta crise é gerada pelas duas forças: o bem e o mal, ou seja, o velho homem e o novo homem. E aqui ele mostra a maneira de nos tomarmos livres desta guerra. A velha natureza está compactuada com o pecado, e a nova natureza é implantada em nós pelo Espírito Santo. Enquanto estivermos contidos nesta natureza, enquanto o corruptível não for tragado pelo incorruptível, estaremos sofrendo a influência desta tendência para o mal. É verdade que quanto mais amadurecermos em Deus, mais fácil será a nossa vitória. Os adultos são aqueles que têm as suas faculdades exercitadas pela prática. Portanto, quanto mais maduro o cristão, maior a vitória contra a natureza humana, que somente será aniquilada pelo incorruptível na volta do Senhor Jesus. Hoje, porém, temos o pleno equipamento e possibilidade de vencê-la sob nossos pés. “Ora, se faço o que não quero, consinto com a lei, que é boa. Neste caso, quem faz isto já não sou eu, mas o pecado que habita em mim. Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem nenhum, pois o querer o bem está em mim; não, porém o efetuá-lo. Porque não faço o bem que prefiro, mas o mal que não quero, esse faço. Mas, se eu faço o que não quero, já não sou eu quem o faz, e sim o pecado que habita em mim” (Rm. 7:16-21). “Mas o alimento sólido é para os adultos, para aqueles que, pela prática, têm as suas faculdades exercitadas para discernir não somente o bem. Mas também o mal” (Hb.5:14). Precisamos entender que o caminho de Deus é a vitória sobre nossa velha natureza. Não concordamos com a corrente teológica que afirma que a natureza humana será tirada de nossas vidas e nos tomaremos livres dela em um estado de perfeição. Cremos que somente no retomo de Jesus isto acontecerá. Também não concordamos que necessitamos do arrebatamento para sermos vencedores; isto é fuga. Deus nos equipou para que tivéssemos vitória sobre esta natureza hoje. A questão de como obter vitória sobre a velha natureza nos leva a estudar a ação do Espírito em nossas vidas, que é a segunda força que age nos homens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *