PROCURA-SE PAI!

A nossa sociedade vive hoje uma grande crise, chamada ausência ou renúncia de pais. Uma análise mais apurada nos leva a conclusão de que muitos conflitos e tragédias de nossa sociedade têm sua origem dentro das famílias e, mais precisamente, nos relacionamentos com os pais.

Uma pesquisa feita nas prisões dos EUA descobriu que, nos dias das mães, mais de noventa por cento dos prisioneiros escreviam às suas mães. Em compensação, no dia dos pais, menos de dez por cento dos prisioneiros enviavam cartas a eles.

Todos sabem que ser pai é um grande desafio. Não quero dizer progenitor apenas, mas um pai em sua plenitude. Quantas pessoas não têm consigo imagens de pais distantes, brutos, frios, duros, indiferentes ou implicantes, para não dizer agressivos e espancadores. A crise de muitos jovens e adultos, com distúrbios de comportamento, têm origens nessas relações conflituosas.

A palavra “pai” foi usada pelo homem para se direcionar a Deus, pela primeira vez, pelo rei Davi, em I Cron. 29:10, dizendo “…nosso Pai …”. A palavra usada aqui para designar “pai” foi Ab, em hebraico, que corresponde a Abba, no grego. Ambas também significam fonte, ou seja o pai é uma fonte.

Realmente, o pai tem esta função, ele é fonte de tudo na vida, tanto na gestação, como na criação. Quando o pai mantém esse entendimento e essa atitude, ele transmite amor, segurança e confiança a sua família. Conseqüentemente, ele formará filhos equilibrados e responsáveis. É o pai que inicia todas as mudanças profundas em sua família. Todos os pais querem que seus filhos sejam diferentes, porém, não percebem que eles apenas imitam seu próprio comportamento.

Muitos pais se esquecem que são as fontes de conhecimento e exemplo de seus filhos, e que as mudanças devem começar pelos próprios pais. O pai tem que abrir o diálogo com seus filhos, tem que expressar seus sentimentos, tem que rasgar o véu do “intocável” e mergulhar fundo nos corações e intenções de seus filhos, tentando, através do relacionamento, dar os contornos finais ao caráter dos deles.

Por tudo isso, ser pai é uma missão de vida. Exige empenho, amor e dedicação. É por isto que os pais sentem-se sós e, muitas vezes, perdidos e impotentes. Não sabem como agir e nem como reagir, não tiveram escola nem curso, estão aprendendo com a vida e com a experiência. O melhor exemplo para olharmos e nos espelharmos é o nosso Pai que está nos céus, porque Ele é nosso modelo perfeito.

Bp. Robson Rodovalho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *